Franklin da Silva Prata, Psicólogo(a), Rio de Janeiro

Amor Próprio não é um orgulho egocêntrico!!✒🌱

O amor próprio não exclui o amor ao próximo. Na verdade, são derivações importantes do amor em sua essência. Nesse sentido, vejam, o ato de perdoar, cujo brilho é uma vitória pessoal sobre o orgulho, deve ser dirigido em ambas as direções. Tanto o sujeito se perdoa livrando-se de culpas e pesos mortos de falhas do passado; quanto perdoa o próximo, desonerando de dívidas afetivas e desobrigando da necessidade de devolver o que supostamente lhe fora remetido. Perdoar é em grande medida um movimento de "apagar" registros de prejuízos. Apesar de ser impossível esquecer os fatos, quando eu "apago", tiro a força viva da escrita, deixando apenas os leves sulcos da pressão do lápis sobre o papel. Dito de outra forma, o perdão é uma dose cavalar de alívio, de alento, de acalanto. Não é um ato obrigatório, não é religioso, não é imposto. O perdão pertence aos livres de espírito que se produzem enquanto sujeitos "fora da caixinha". É para àqueles que quebram ciclos de violência e prosseguem. Para os que tem mais vida a viver do que passado vívido. Para os que não se comportam sob a disciplina do "olho por olho, dente por dente". Para os que se percebem equivalentes e equidistantes da complexidade imperfeita e bela do Ser humano.

Franklin da Silva Prata

CRP 05/38704

Psicólogo Especialista Clínico

Terapia Online e presencial

www.franklindasilvaprata.site.psc.br

WhatsApp (21) 98330-1914

@psi.franklinprata (Instagram e Facebook)