Elza Barros, Psicólogo(a), Pelotas

Por que a psicanálise?

Freud definiu a psicanálise com as clássicas três características básicas:como um procedimento de investigação dos processos mentais;um método de tratamento e uma disciplina científica,destacando que deve existir união entre curar e investigar.

Um tratamento psicanalítico pessoal consiste em um método que, sobretudo,requer alguns princípios fundamentais.Quando começou o seu edifício da psicanálise científica,Freud destacou as três seguintes premissas,que nunca pode faltar,para definir uma verdadeira análise:o trabalho com as resistências que, de formas variadas,sempre surgem no processo analítico( como forma de uma,inconsciente,oposição do ego do paciente contra a emergência no consciente,de desejos proibidos);as transferências,positiva e, ou, negativas,e as interpretações formuladas pelo terapeuta.Estas últimas,ainda segundo Freud,resultam da decodificação que o profissional faz do ¨material¨ (sonhos,sintomas,livre associação das narrativas do paciente,resistências,transferências,etc.)e, fundamentalmente,consistem em tornar consciente aquilo que estava no inconsciente, de sorte que,no lugar ocupado pelas pulsões instintivas do id e das ameaças do superego,restasse um ego mais forte e sadio.

Quando a interpretação é bem sucedida,costuma resultar uma iluminação(insight) na mente do paciente,abrindo um caminho para a cura analítica.

Decorrido mais de um século ,essas premissas continuam válidas e vigentes,porém isso acontece de forma parcial, visto que,das raízes de Freud e seguidores imediatos,novas escolas de psicanálise se ramificaram com contribuição inportantes,baseadas em idéias novas e originais.Dessa forma, não negando Freud,mas indo além dele,as novas concepções psicanalíticas propiciaram uma maior compreensão dos fenômenos psíquicos que caracterizam o desenvolvimento emocional primitivo,abrindo outras portas para pacientes mais regressivos.

Para concluir,desde a criação da psicanálise clássica,há cento e poucos anos,até a psicanálise contemporânea,essa área vem sofrendo profundas e aceleradas transformações,tanto na pessoa do paciente que procura um tratamento,como na pessoa do terapeuta e, também, no próprio processo psicanalítico.

Em relação a mudança do paciente,constata-se o surgimento de novas patologias (borderline,transtornos narcisistas,transtorno de auto-estima, alimentares,somatizadores,patologia do vazio,etc) As transformações na pessoa do profissional aludem ao fato de que,na atualidade,o terapeuta deixou o seu lugar de um poderoso deus que setenciava as verdades finais e absolutas para o paciente que, então, ficava apassivado,para uma atitude de permanente interação entre ele e o paciente. (David Zimerman).

A psicanálise é uma grande aventura que o sujeito faz sobre si mesmo,sobre seus fantasmas,limitações,sintomas,medos,temores,lembranças e assombros de sua história.

A psicanálise é uma prática que nos convida a falar,não para desabafar,mas para descobrir,na palavra,o saber exercitar e suportar o nosso próprio silêncio;suportar a nossa própria subjetividade se autorresponsabilizar por nossa própria vida.