Elza Barros, Psicólogo(a), Pelotas

Há felicidade na velhice?

A velhice é inevitável para todos nós.Um envelhecimento mais pleno e mais feliz é uma conquista de cada indivíduo e da sociedade como um todo.

O sociólogo polonês Zigmunt Bauman escreve muito sobre o universo dos homens e das mulheres.Ele afirma que há dois valores absolutamente indispensáveis para uma vida feliz. Um é a segurança; o outro é a liberdade.Para ele,não é possível ser feliz e ter uma vida digna e satisfatória na ausência de qualquer um dos dois.Segurança sem liberdade é escravidâo.Liberdade sem segurança é caos.

Encontrar a fórmula de juntar os dois numa mistura perfeita entre segurança e liberdade é muito difícil.Cada vez que conseguimos mais segurança,entregamos um pouco da nossa liberdade;quando temos mais liberdade,entregamos parte da nossa segurança.

Construir uma velhice feliz parece depender tanto da sensação de segurança quanto da conquista da liberdade. De um lado,saúde,dinheiro suficiente para ter uma vida confortável,família,trabalho.De outro,uma maior liberdade para seguir a própria vontade.

A civilização é uma troca:sempre ganhamos e perdemos algo.É impossível encontrar a solução perfeita:o equilíbrio entre liberdade e segurança.O pêndulo vai ou em direção à liberdade ou em direção à segurança.E esse seria o nosso grande dilema:nunca iremos parar de procurar o equilíbrio,pois desejamos ter segurança e liberdade ao mesmo tempo.

Não existe uma fórmula para sermos felizes.A beleza da velhice está,exatamente,na sua singularidade,na possibilidade de ser criada,plenamente por cada um de nós.

O significado de cada forma de vida está inscrito na trajetória do indivíduo,em suas escolhas,em seus desejos,que são belos exatamente por serem únicos.

As escolhas devem ser motivadas pela própria vontade,e não pela necessidade de responder às demandas sociais e familiares.Fazem o que fazem porque querem,não porque precisam fazer.

Cada um de nós é o único responsável por construir passo a passo,precoce ou mesmo tardiamente, a própria "velhice".